Quem mata já está morto

Talvez estejamos condenados a saber apenas que tem lugar um processo cujo resultado final é o milagre do recém-nascido; e que decidir até que altura se tem o direito de intervir nesse processo, e a partir de que momento já não é lícito fazê-lo, não pode ser esclarecido nem discutido.

(Umberto Eco)