Em 1998, Luz de Vasconcellos e Souza convidou-me para um café, depois de jantar , em casa de seus pais. Para além da Luz, estavam sua mãe, Sofia de Melo Breyner Andresen, e […].

Conversou-se sobre assuntos vários, entre os quais surgiu naturalmente, pela sua proximidade, o do referendo sobre a liberalização do aborto. Sofia também abordou esse tema, com a simplicidade e profundidade luminosas que lhe eram habituais. De tudo o que lhe ouvi, o que mais me marcou foi uma pequena partilha que culminou numa breve sugestão. Disse: «Uma vez mostraram-me fotografias de fetos abortados. O que mais me impressionou foi o seu ar de humilhação (ou de humilhados). Espalhem imagens dessas com a frase: “aqueles que ninguém quis amar”».

Já não recordo, ao certo, quais as razões ou circunstâncias que nos levaram a não concretizar a proposta que brotou do seu desabafo. Mas ela gravou-se-me de tal sorte na mente que ainda hoje a recordo como se me tivesse sido feita há 10 minutos .

De facto, a humilhação não consiste em ser julgado por ter prevaricado, por ter cometido um crime. A grande humilhação, a maior das humilhações é não ser reconhecido e respeitado por aquilo que se é, um ser humano, uma pessoa; é ser aniquilado, na fase de maior vulnerabilidade, pela decisão despótica de quem o gerou; é ser vítima da renúncia geral à sua protecção e da conjura comum para o destruir.

Nuno Serras Pereira