Há muitos caminhos

Há muitos caminhos

E não compreendemos que um deficiente possua a capacidade de ser feliz com a sua deficiência, porque não possuímos essa capacidade. Mas por que razão havíamos de a ter, se não precisamos dela?

Lançámo-nos com todas as forças à tarefa de eliminar da terra as injustiças e os erros da natureza.

Queremos acabar com as anomalias, com o insólito. E o insólito para nós é aquilo que não conseguimos compreender.

Mas eu já vi os cegos rirem.

Encontrei, entre os que sofrem, homens grandes. Os maiores de todos.

Ler o texto completo
Aborto e escolha: a solução

Aborto e escolha: a solução

Muitos estados americanos têm implementado nos últimos anos leis designadas de “direito das mulheres a saber”. Estas leis têm como principal objectivo dar a conhecer às mulheres os vários aspectos relacionados com a prática do aborto (o que é ao certo, consequências, métodos, etc.). Estas leis exigem também que aqueles que executam o aborto recomendem às pacientes um período de espera ou “arrefecimento”. Para além disso, algumas destas leis exigem mesmo que seja fornecida informação (livro, folhetos, etc.) às mulheres antes destas serem submetidas ao aborto.

Ler o texto completo
Aborto: Reacção em cadeia

Aborto: Reacção em cadeia

Em 1984 a Zita Seabra liderou o processo de legalização do aborto. Este foi legalizado em certos casos até às 12 semanas. Mais tarde, sem ninguém dar conta e sem qualquer contestação social, o aborto foi legalizado até às 16 semanas (é o processo descontrolado!!). Em 1997 a Zita Seabra declarou-se contra os projectos de lei mas, naturalmente, ninguém quis saber da sua opinião. Sem a legalização de 84 não haveria os projectos de 97. Portanto, a Zita Seabra iniciou uma reacção em cadeia que a ultrapassou completamente e que ela, embora tentasse, não conseguiu travar.

Ler o texto completo

Slogans aborto: Tudo é vida

Mas os defensores do aborto costumam defender a ideia nos seguinte termos: «Como um zigoto é a união de um espermatozóide e de um oocito, se isoladamente não têm direito à vida, juntos também não deveriam ter. Colocar o início do direito à vida na concepção não tem qualquer base.» De facto assim seria se o valor do todo fosse a soma do valor das partes. Mas todos sabemos que não é assim. Nenhuma das células de uma pessoa, individualmente, tem direito à vida. Se o direito do todo fosse a soma dos direitos das partes, nenhuma pessoa teria direito à vida.

Ler o texto completo