Consequências psicológicas

Um conjunto de textos que analisam as consequências que o aborto tem na psicologia da mulher que abortou voluntariamente. Há o remorso angustiante, o sofrimento insuportável devido àquilo que se fez e já não tem remédio.


Stresse Pós-aborto

Stresse Pós-aborto

O stress psicológico como consequência de um aborto parece ser maior do que antes se pensava. Um estudo recente que incluiu 331 mulheres russas e 217 mulheres americanas que se submeteram a um aborto parece demonstrar essa realidade (2). Entre outras coisas, este estudo revelou que:
65% das mulheres americanas sondadas experimentou múltiplos sintomas de desordem de stress pós-traumático, os quais atribuíam ao seu aborto.
64% das mulheres americanas sentiram-se pressionadas por outros a escolher o aborto, em comparação com 37% das mulheres russas.
De um modo geral, as mulheres referiram mais reacções negativas do que positivas.
A reacção positiva mais mencionada foi o alívio, mas apenas 7% das mulheres russas e 14% das americanas a mencionaram.

Ler o texto completo
Aborto e ansiedade

Aborto e ansiedade

Quando comparadas com mulheres que levam a sua gravidez não intencional até ao fim, as que abortam uma gravidez não intencional têm maior probabilidade de experimentar problemas subsequentes de ansiedade. Esta constatação é o resultado de um estudo recente (1) publicado num jornal científico dedicado a desordens ligadas com a ansiedade, realizado entre 10,847 mulheres com idades entre os 15 e os 34 anos que experimentaram uma primeira gravidez não intencional e sem qualquer historial de ansiedade. Os investigadores que realizaram este estudo descobriram que as mulheres que decidiram abortar tinham 30% maior probabilidade de mencionar sintomas subsequentes associados a um diagnostico de desordem generalizada de ansiedade.

Ler o texto completo
Aborto e tentativas de suicídio

Aborto e tentativas de suicídio

Uma investigação levada a cabo na Finlândia identificou uma forte associação estatística entre o aborto e o suicídio. A taxa de suicídio num período de um ano após o aborto era três vezes superior a todas as mulheres de uma forma geral, sete vezes superior à taxa verificada entre mulheres que tinham levado a gravidez até ao fim, e quase duas vezes superior à taxa entre mulheres cuja gravidez tinha sido interrompida por causas naturais. As tentativas de suicídio pareceram ter particular incidência entre adolescentes sujeitas a um aborto.

Ler o texto completo
Aborto e disfunção sexual

Aborto e disfunção sexual

Um estudo mostra que entre 30% a 50% das mulheres que abortam referem experiências de disfunção sexual, tanto de curta ou longa duração, com início imediato após o aborto.

Ler o texto completo
Aborto e consumo de tabaco, álcool e drogas

Aborto e consumo de tabaco, álcool e drogas

A relação entre o aborto e o abuso de substâncias (drogas e álcool) tem sido estabelecida em estudo recentes. Um destes estudos, realizado entre 749 mulheres que tiveram a sua primeira gravidez não intencional e 1144 mulheres que nunca estiveram grávidas, revela que as mulheres que optaram pelo aborto têm maior probabilidade de reportar, em média quatro anos após o aborto, uma utilização mais frequente de álcool, marijuana e cocaína.

Ler o texto completo