Aborto e lacerações cervicaisEm pelo menos 1% dos abortos realizados durante o primeiro trimestre de gestação ocorrem lacerações [ lesão resultante de um rasgamento de pele até ao tecido subcutâneo ] cervicais significantes que necessitam ser suturadas. O risco de danos cervicais é maior em adolescentes, em abortos durante o segundo trimestre, e quando quem os realiza utiliza inadequadamente a laminaria durante o processo de dilatação do colo do útero. (1)

Danos físicos e psicológicos resultantes do aborto são mais frequentes em jovens e adolescentes. Ao contrário das mulheres mais velhas, nestas idades o colo do útero ainda está imaturo, havendo por isso o risco de uma dilatação difícil e potencialmente traumática. Nestes casos o colo do útero é pequeno e apertado, especialmente em casos da primeira gravidez, e especialmente susceptível a danos durante a dilatação. Os problemas da prática do aborto nestas condições levam a outros problemas em gravidezes no futuro. Algumas das complicações mais graves ocorrem em adolescentes/jovens.

1. Schulz, D Grimes & W. Cates (1983). Measures to Prevent Cervical Injuries During Suction Curettage Abortion. Lancet (May 28):1182-1184; Cates W, K Schultz & D Grimes (1983). The Risks Associated with Teenage Abortion. New England Journal of Medicine 15:612-624; Castadot R (1986). Pregnancy Termination: Techniques, Risks, and Complications and Their Management. Fertility and Sterility 45(1):5-17.

(Agradecemos a M. D. Mateus a autorização para publicar na Aldeia este seu trabalho)